Cartoon - Nações do Mundo Avatar e Suas Contrapartes no Mundo Real


Lançado em 2005 pelo canal Nickelodeon, Avatar: A Lenda de Aang é uma animação de produção americana criada pela dupla Michael Dante DiMartino e Bryan Konietzko, que emula a estética do anime japonês, mas sem a enrolações características do formato.

Acho que não é necessário explicar do que a animação se trata. Mas se você passou os últimos doze anos na ISS participando de uma experiência de hibernação, é só clicar aqui e se informar.

Nesse universo, o mundo é geograficamente dividido em apenas quatro nações que são relacionadas às habilidades de dominação de cada elemento, a Tribo da Água, A Nação do Fogo, o Reino da Terra e os Nômades do Ar. Para compor cada povo, os criadores se basearam em países que existem no mundo real, todos de origem asiática. Cultura, espiritualidade e até alguns traços históricos fizeram parte da composição do rico cenário mostrado na série. O objetivo desse texto é dar uma pincelada no que observei ao assistir à Lenda de Aang, sei que muita coisa está na cara, mas é que não achei nenhum texto parecido, por isso aqui vai.

Mapa Mundi

Tribo da Água do Norte e do Sul


Quando a série começa, somos apresentados ao povo da Tribo da Água do Sul, pelos seus costumes, ambiente e vestimenta somos remetidos o povo inuit que vive no Círculo Polar Ártico, mais especificamente no Norte do Canadá, no Alasca, e Groenlândia. A origem desse povo é a Ásia e possui uma relação estreita com o ambiente inóspito onde vivem. Apresentam, ainda, um profundo respeito para com o mar e os animais. A Tribo da Água é o povo menos desenvolvido tecnologicamente o que os coloca a merce da Nação do Fogo, muito embora eu considere que eles tenham a dominação mais poderosa das quatro.

Aqui podemos traçar um paralelo com o choque dos povos nativos americanos quando os colonizadores europeus chegaram à região onde habitavam. Eles foram expulsos de suas terras e sua cultura ficou ameaçada por muito tempo. O mesmo aconteceu com todos os outros povos, também de origem asiática, por todo o continente americano.

Interessante notar que a Tribo da Água do Norte é mais desenvolvida do que a sua irmã do Sul contando inclusive, com uma cidade fortificada.


Nômades do Ar


Claramente o povo mais espiritualizado deste mundo e terra natal do Avatar Aang. Talvez sejam nômades justamente por causa da liberdade que o vento representa, ele não tem morada e sopra por todo lugar indo e vindo. Sua vestimenta padrão exibe tons entre o marrom claro e o laranja, lembram as túnicas cor de açafrão dos monges zen budistas do Tibet.

Na série, os Nômades do Ar foram exterminados pela Nação do Fogo, na tentativa de quebrar o ciclo de renascimento do Avatar, o que colocaria seus planos de conquista em risco. No mundo real o Tibet foi anexado à China na década de 1950, desde então o povo tem sofrido com perda de identidade cultural e religiosa, visto que a China é um país majoritariamente ateu e que limita bastante as atividades religiosas. Não é um extermínio físico, mas é uma maneira de erradicar uma cultura.

Para deixar bem clara a relação entre os Nômades do Ar com o povo tibetano, os criadores batizaram o filho de Aang, na série seguinte, A Lenda de Korra, de Tenzin mesmo nome do atual Dalai-lama. O personagem ainda é caracterizado vestindo uma túnica com as mesmas cores usadas pelo líder religioso. Acrescente a isso o fato de Tenzin viver com a família em uma ilha isolada da Cidade República, uma ilustração da atual condição de exílio do líder tibetano.




Reino da Terra


É contra esse povo que a Nação do Fogo concentra seus esforços de conquista durante as três temporadas de A Lenda de Aang. É o país com maior extensão territorial, talvez para ilustrar o tamanho, em habitantes, do país real em que foi baseado, China, o mais populoso do mundo. Novamente vemos características culturais do povo chinês, vestimentas, penteados e convenções sociais, que nós do ocidente nos acostumamos a ver nos filmes de kung-fu vindos daquela região.

Historicamente, durante séculos, a China enfrentou invasões e pressões externas de países vizinhos e de além-mar. A Grande muralha da China foi construída para proteger o país das invasões mongóis. No século XVI Portugal fundou uma colônia em Macau, depois, durante a segunda metade do Século XIX O império britânico ocupou Hong Kong e Xangai. O país ainda sofreu com ocupações japonesas até as vésperas da Segunda Guerra.

O Rei da Terra
A capital do Reino, Ba Sing Se, é cercada por muralhas que formam anéis concêntricos o nível social da população sobe conforme vai se aproximando do centro, sendo que, no anel central está localizado o palácio do Rei da Terra, soberano do país. Ele vive isolado do mundo exterior a tal ponto que nem sabe que seu país está em guera com a Nação do Fogo.

Em situação parecida se encontrou Pu Yi, o último imperador da China. Ele viveu toda a vida enclausurado na Cidade Proibida, o palácio Imperial que fica em Pequim, e não fazia ideia de como viviam seus súditos, já que todos os assuntos governamentais ficavam a cargo de seus secretários e ministros. Pu Yi foi forçado a abdicar de seu reinado em 1912 devido à Revolução Xinhai. Se quiser conhecer mais sobre a história desse soberano assista ao filme O Último Imperador (1987), de Bernardo Bertolucci.

Nação do Fogo


Enfim, chegamos aos vilões da trama. Há cem anos esse país empreende uma política expansionista. Exterminou os Nômades do Ar, conquistou a tribo da Água do Sul e enfrenta a resistência de sua irmã do Norte mas, seu maior foco é a campanha contra o Reino da Terra, chegando, inclusive, a conquistar sua capital Ba Sing Se mas, foi expulsa pelos dominadores de terra.

Pelos costumes, dando muito valor a honra e disciplina, como o duelo Agni Kai e a veneração do Senhor do Fogo, seu líder supremo, fica claro que a inspiração dos autores foi o Japão.

Senhor do Fogo Ozai
Historicamente, o Japão também realizou tentativas de expandir seu território, já que extensão territorial sempre foi um problema para o país que ocupa um arquipélago vulcânico. A partir de 1903 o Japão invadiu Korea, o mar da China, algumas ilhas das Filipinas e depois de várias ameças de guerra, tomou a Manchúria da fraca República Chinesa.

Na série a Nação do Fogo demonstra soberba com relação a sua sociedade. Encarando todas as outras culturas inferiores. O Japão do início do Século XX tinha um pensamento parecido já que encaravam sua terra sagrada e que não poderia ser invadida por “raças inferiores”. Há um consenso de que o japonês ainda possui um certo pensamento nesse sentido, muito embora o cenário vem mudando já que as novas gerações crescem tendo um maior contato com o mundo fora do Japão.

O Ciclo Avatar
Com as nações do Mundo de Avatar, os autores representaram as quatro nações asiáticas que mais influenciaram a cultura no ocidente, seja espiritual ou culturalmente falando. Criaram um mundo rico e dinâmico que poderia ser explorado de muitas maneiras. Hoje, não há previsão de uma nova série, fãs chegaram a fazer campanha para um longa, continuando a saga de Korra, mas os criadores já descartaram a ideia alegando que estão engajados em projetos pessoais, mas deixaram a porta aberta.

Já nos quadrinhos a coisa é diferente, A Lenda de Aang vem sendo publicada continuando as aventuras dos personagens após a Guerra dos Cem Anos, Korra acabou de ganhar uma série mensal, continuando a história de onde a série parou. Infelizmente, não existe intenção de se publicar esse material por aqui. Parece que, ao menos, fora da TV ainda teremos muitas aventuras e descobertas desse mundo fantástico.
Cartoon - Nações do Mundo Avatar e Suas Contrapartes no Mundo Real Cartoon - Nações do Mundo Avatar e Suas Contrapartes no Mundo Real Reviewed by Tulio Roberto on 03 abril Rating: 5

Nenhum comentário

Web Analytics