A Casta dos Metabarões - Tragédia Grega Sideral



O Metabarão é o guerreiro supremo da galáxia. Invencível e implacável, ele coloca suas habilidades a quem puder pagar o preço. Vivendo num futuro longínquo, onde a humanidade já povoou toda a galáxia e criou uma sociedade profundamente corrupta, o Metabarão é o fruto mais letal desse universo criado pela dupla Moebius (arte) e Jodorowsky (texto) para a série O Incal.

Honorata
Na série, o detetive fracassado Jhon Difool esbarra num artefato ancestral chamado “O Incal” que o leva a uma luta de proporções épicas com o Metabarão e o Thecno-Papa pela sua posse. O personagem chamou tanta a atenção do público que Jodorowsky, seu criador, decidiu contar a história de sua família então, o autor chileno radicado na França junto com o desenhista argentino Juan Giménez criou a saga “A Casta dos Metabarões” (The Metabarons, em inglês).

A dupla deu contornos de tragédia grega à história do maior guerreiro da galáxia. Enquanto as habilidades do Metabarão aumentam a cada geração, maior é seu drama pessoal. Desgraças como mutilações sofridas na infância, rejeição paterna, rejeição da mulher amada e traições são infligidas ao personagem, nas suas várias encarnações, para traçar um contraste, quanto mais poderoso e maior as ameaças enfrentadas pelo Metabarão, mais infeliz ele é, lhe restando apenas a violência como válvula de escape para suas frustrações.

Cabeça de Aço
Jodorowsky é mestre no uso do surrealismo ao contar suas histórias, veja o caso do faroeste cult El Topo, um dos filmes favoritos de John Lennon. Ele usa esse estilo para contar a saga de seu personagem. Se o Incal era maniqueísta, aqui temos muito mais de cinquenta tons de cinza, personagens torturados pelo legado que fora imposto por seus ancestrais. Talvez o personagem mais surreal de toda a saga seja Cabeça de Aço. Uma alegoria de que é a razão que guia nossas emoções e que quando não estamos com a cabeça no lugar, só cometemos tolices.

Junte a isso a arte incomparável de Giménez, cada quadro é uma obra de arte. Destaco aqui as páginas duplas coalhadas de naves espaciais dos mais diferentes tipos e bem trabalhadas. Claro que outros aspectos da arte que chamam a atenção, como as personagens femininas. A narrativa do argentino é outro aspecto que se destaca, trabalhando em harmonia com o texto. O que faz com que as sequências fiquem gravadas em nossa memória.

Tudo isso compõe uma das melhores Space Ópera já criadas. Uma tragédia grega com tons de vermelho dignos das revistas do Conan (se fossem coloridas) e o tradicional erotismo da Métal Hurlant. Esta não foi a última vez que Jodorowsky visitou seu personagem, mais recentemente, em 2016, foi publicada uma nova história em quatro volumes, focada no Metabarão “atual”, com texto de Jodorowsky e arte do americano Jerry Frissen.

A Casta dos Metabarões foi publicada no Brasil pela Editora Devir em quatro volumes, em 2008.




A Casta dos Metabarões - Tragédia Grega Sideral A Casta dos Metabarões - Tragédia Grega Sideral Reviewed by Tulio Roberto on 11 julho Rating: 5

Nenhum comentário

Web Analytics