REPOST: Vingadores do Espaço



As séries Tokusatsu já fazem parte da cultura pop mundial. Tokusatsu, que é a palavra japonesa usada para identificar produções em que se usa efeitos especiais, como Star Wars, se tornou, no resto do mundo, sinônimo de séries e filmes de monstros japoneses, como Ultraman, Jaspion, Spectreman etc.


Todos conhecem o modo de se produzir essas séries. Basicamente se constrói um cenário em escala e dublês vestindo fantasias de monstro ou robô lutam em meio uma cidade de isopor e madeira.

Esse processo foi desenvolvido pela lenda Eiji Tsuburaya no clássico Gojira, de 1954. devido aos poucos recursos da produção, se decidiu vestir um dublê de monstro e fazer ele atropelar uma maquete de Tóquio. Com certeza era bem mais barato do que gastar uma grana em longas horas de produção stop-motiom, o estado-da-arte em termos de efeitos especiais na época.

Pois bem, passado o tempo e com o advento da televisão. Séries de tokusatsu começaram a aparecer na programação japonesa. Tsuburaya-kun, que havia fundado uma pequena produtora, a Tsuburaya Productions, já havia lançado com sucesso a série Ultra Q, que narrava as aventuras de um grupo de jornalistas que caçavam monstros e outras entidades sobrenaturais. Uma espécie de Arquivo X nipônico.

É claro que as outras produtoras não iam ficar de fora dessa. Corria o ano de 1966, quando a Tsuburaya Productions se preparava para lançar, no dia 10 de Julho, a primeira série de TV japonesa em cores quando ela levou uma rasteira da concorrência. No dia 4 do mesmo mês, ou seja, seis dias antes da estréia de Ultraman, a P Productions, que em 71 lançaria o clássico Spectreman, colocava no ar pela Fuji TV, Magma Taishi (Embaixador Magma), ou Goldar.

Ozamu Tezuka
Magma não era um personagem original, sua origem ocorreu nos nos mangás. Seu criador nada mais é do que uma lenda da cultua pop japonesa, Ozamu Tezuka (Astro Boy, A Princesa e o Cavaleiro).

A pequena P Productoins preferiu apostar em um personagem que já tinha uma grande quantidade de fãs, garantindo assim a audiência do programa e, em consequência, os patrocinadores devido ao alto custo dos episódios coloridos.

A série contava a luta de Goldar, Silvar e Mathusan contra o conquistador de mundos Rodak. A história era mais ou menos assim:

Rodak chega à Terra e entra em contato com um jornalista e sua família para que esse divulgue as intenções malignas deste. Em seguida chega á Terra o trio de guerreiros, o velho sábio Mathusan, que mais parecia ter saído de uma continuação de baixo orçamento do Planeta dos Macacos, e seus robôs Goldar, um gigante de 30 metros de altura com uma longa cabeleira ao estilo Glam Rock e antenas iguais as do Chapolin Colorado (é sério, não tô brincando não!!!) e sua "esposa" Silvar só que essa do mesmo tamanho dos humanos (e que também tinha as anteninhas de vinil).

O objetivo deles é ajudar os terráqueos na luta contra Rodak. O modus operandi do vilão é parecido com o dos vilões dos Power Rangers. A cada episódio Rodak manda um monstro pra conquistar a Terra e Goldar enche o bicho de bolacha. Ele até possuía um bando de asseclas pra cumprir missões na Terra. Pareciam sombras negras que quando morriam soltavam um sagu azul no lugar do sangue.

Ao conhecerem o filho do jornalista, o garoto Miko, os robôs se "encantam" com a possibilidade de terem um filho, e pedem para que Mathusan construa um filho para eles e assim nasce o terceiro robô com anteninhas de vinil da série, Gam.

Miko fica amigo dos visitantes e Goldar o presenteia com um apito. O garoto poderia usar o instrumento para chamar qualquer um dos três. Um apito chamaria Gam, dois chamaria Silvar e três o próprio Goldar. Eu nunca vi o moleque chamar a Silvar era só o Gam e o Goldar.

No Brasil, a série foi exibida primeiro na TV Tupi, na década de 70, veio na esteira do mega sucesso Ultraman. Nos anos 80 ela foi exibida novamente, com nova dublagem, pela Record, foi a versão que assisti. Contando com 52 episódios a ordinária da Record nunca passou o último episódio (eu pelo menos nunca vi). Esse era o diferencial entre a séries japonesas e as americanas na época. Os japoneses colocavam começo meio e fim em suas séries. O Rodak sempre escapava só que ia chegar uma hora que seria derrotado. Nas americanas não. A coisa rodava, rodava e não saía do lugar. Veja a série Batman da mesma época por exemplo.



O fim da história? Bem, de ser derrotado, Rodak arma um esquema pra mandar Goldar pro ferro velho. Manda pra Terra seu monstro mais poderoso, Kyono, certo da vitória, o vilão se integra ao monstro para lhe dar mais poder e inteligência. Mas, tudo isso não é suficiente, Rodak/Kyono leva uma sova do robô dourado e é finalmente derrotado. O agora quarteto espacial se despede de seus amigos terrestres e voltam para seu planeta natal com a promessa de se encontrarem de novo no futuro. Coisa que nunca aconteceu.

Curiosidades:

Ao contrário do que se pensa, os moradores de Cybertron, não são os primeiros autômatos que se transformam em veículos e em outros aparelhos no mundo do entretenimento. Essa ideia já tinha sido apresentada em Vingadores do Espaço. Tanto Goldar como Silvar e Gam tinham a capacidade de se transformarem em foguetes espaciais. É claro que a transformação era bem tosca.

Goldar tem esse nome porque ele é forjado em ouro maciço. Aquilo não era robô, era um Fort Knox ambulante! Já imaginou o valor de suas peças no mercado? =)

Magma Taishi ganhou uma nova série em 1993, só que em anime. Foram 13 episódios lançados direto em vídeo, os chamados OVA´s.
REPOST: Vingadores do Espaço REPOST: Vingadores do Espaço Reviewed by Tulio Roberto on 10 novembro Rating: 5

Nenhum comentário

Web Analytics