Conto - Parte 9B - Contagem Regressiva


Ronaldo Ficou branco.

Ilyana, sua namorada, sabia das intenções de seu professor e o apoiava? Mesmo sabendo dos temores dos estudiosos do Instituto Lebedev e do Exército? Todo o sofrimento que passara depois que trouxera o ônibus de volta, a culpa por ter sobrevivido ao Evento e seu amigo não, as mortes ocorridas naquele dia. Tudo isso poderia ter sido evitado se, em vez de apoiar aquela loucura, sua namorada tivesse relatado os fatos às autoridades. Ronaldo sentiu um bolo crescendo em seu estômago deu alguns passos para trás se arqueou e vomitou no chão.

0:05:45

Ronaldo se recuperava quando Valeska tentou apoiá-lo. Ela estava preocupada com seu amigo, o encontrara desacordado momentos antes e agora essa reação ao saber que sua namorada estava envolvida em tudo aquilo. Parecia ser demais para ele suportar. Agora, o rapaz chorava.

-Vamos amigo, não desista! Ainda dá tempo de evitar tudo.

-Nyet! Não há como parar o processo.

Os dois se viraram, alarmados. Na porta da sala de controle, a mesma que Ronaldo deveria vigiar, uma figura alta usando um terno escuro apontava uma pistola Tokarev para os intrusos.

Ronaldo esboçou uma reação, mas o homem levantou a arma um pouco mais para deixar claro sua intenção de atirar, caso fosse necessário, o que levou o rapaz a repensar suas ações. Em seguida, o homem na porta fez sinal para que o jovem se livrasse da arma que carregava. Ronaldo abaixou o fuzil, o deixou no chão e em seguida o empurrou, com o pé para longe.

-Você, eu sei quem é. É um dos alunos do Olaf. - disse Medvedev apontando para Ronaldo – Mas, quem é você? - e apontou para Valeska.

-Sou a prova viva de que você está errado! Meu nome é Valeska Yakovna, sou estudante, colega de classe de Ronaldo e Ilyana.

Medvedev ficou intrigado com aquelas palavras e surpreso com a coragem e convicção com que aquela mulher idosa as dissera. Mas seu semblante endureceu novamente.

-Mentira!

-Não! Não é! Sua máquina vai criar uma rachadura no espaço-tempo! Vai criar um paradoxo onde ela vai envelhecer num mundo onde a Rússia não existe mais! E a culpa é sua! Desliga a máquina, assim você evita a morte da Mãe Rússia!

Espertamente, Ronaldo apelava para o ardente amor do russo pela pátria mãe. Suas palavras pareciam ter abalado a determinação do professor, que novamente se recompôs.

0:03:23

Um zumbido começou a ser ouvido no ambiente, eram as bobinas se energizando para iniciar o funcionamento pleno do equipamento, o ar estalava com a grande quantidade de eletricidade estática acumulada. O momento final de aproximava.

-Absurdo! EU vou fazer a Rússia grande novamente! - Gritou Medvedev apontando a arma para o peito de Ronaldo.

Sentindo que o homem ia mesmo atirar, o rapaz se encolheu instintivamente. Medvedev puxou o gatilho no mesmo instante em que Valeska se colocava na frente do amigo, a bala a atingiu no lado esquerdo do peito. Com o impacto ela caiu para trás, Levando Ronaldo a cair sentado no chão e ela sobre suas pernas. Em desespero Ronaldo tentava parar o sangue que já formava uma possa no chão. Valeska respirava com dificuldade, certamente a bala perfurara o pulmão. O jovem se lembrara da visão em que morria, a terrível sensação de afogamento, a mesma sensação que sua amiga agora experimentava. Com dificuldade ela segurou a mão do amigo. Ele sentiu que ela já não tinha mais forças.

-Maldito! - Gritou Ronaldo em lágrimas.

-Não se preocupe, logo se juntará a ela.

0:01:01

O homem se aproximou do rapaz sentado no chão, amparando a amiga baleada. Estava perto do console de controles da sala. Ronaldo sentiu os pelos de seu corpo se eriçarem tamanha era a eletricidade estática no ambiante. Mas agora aquilo não significava mais nada, ele tinha falhado em sua missão, em resignação desviou o olhar para a porta da sala, esperando o golpe de misericórdia.

Foi quando ele viu surgindo da porta um objeto esférico que fora arremessado do corredor em direção ao professor, conforme percorria a distância entre a porta e o homem, a esfera começava a emitir um crescente brilho lilás. Medvedev logo percebeu a chegada do objeto através de sua visão periférica mas era tarde de mais, quando o objeto chegou a cerca de um metro do alvo ele emitiu uma violenta descarga elétrica que atingiu o professor em cheio. O som causado pelo arco voltaico era ensurdecedor o que impossibilitou ouvir o grito horrível de Medvedev. Ronaldo acabou levando uma descarga secundária devido à proximidade do alvo. Medvedev, que agora não passava de um corpo cheio de queimaduras, caiu sobre o console.

0:00:26

A máquina já iniciava a derradeira etapa para entrar em pleno funcionamento quando uma figura entrou correndo pela porta em direção a máquina, em suas mãos segurava outro objeto esférico só que maior. Quando entrou no salão onde a máquina antigravidade se encontrava, o atirou assim como fizera com o outro, logo, o objeto começou a emitir o mesmo brilho lilás e quando se encontrava sob as anteparas que formavam os arcos onde a esfera antigravidade seria gerada seu brilho se tornou branco e progressivamente engoliu a máquina, depois o salão e então a sala de controle onde Ronaldo e o estranho se encontram. Antes de ser engolfado pela luz, o rapaz olhou para seu suposto salvador, ele o olhou de volta, e Ronaldo achou seu rosto familiar.

Então, o silêncio.

Amanhã, o Fim.

Conto - Parte 9B - Contagem Regressiva Conto - Parte 9B - Contagem Regressiva Reviewed by Tulio Roberto on 05 abril Rating: 5

Nenhum comentário

Web Analytics